Tag Archives: comédia romântica

Sessão Pipoca: Par Perfeito!

14 Set

Filme: Par Perfeito (Killers) 

Elenco: Ashton Kutcher, Katherine Heigl, Tom Selleck, Catherine O’Hara, Martin Mull, Katheryn Winnick, Casey Wilson, LeToya Luckett.

 Direção: Robert Luketic

Gênero: Ação

Duração: 90 min.

Distribuidora: Imagem Filmes

Sinopse: Jen (Katherine Heigl), conhece o homem perfeito. Seu nome é Spencer (Ashton Kutcher), ele é bonitão, educado e inteligente. Mas o que Jen não sabe, é que Spencer ganha a vida como matador de aluguel, contratado pelo governo. Eles vivem o casamento dos sonhos até que em uma bela manhã, o casal descobre que Spencer é o alvo de um golpe milionário. O que parecia ser um Par Perfeito transforma -se num jogo de vida ou morte, enquanto eles tentam lidar com sogros, sogras, casamento, manter as aparências e ainda sobreviver.

O que torna um casal perfeito? E será que realmente existe o conceito de perfeito um para o outro? Fugindo do título original, a tradução já deixa a desejar porque além de não combinar com o codinome Killers – nome original – (Assassinos), o filme não segue a linha de um casal perfeito.

Apesar de Ashton Kutcher e Khaterine Heigl, serem ótimos atores eu tive a estranha sensação de que ela era velha demais para ele. Não senti aquela ligação de personagens que se completam sabe, como em A filha do chefe, eu amo aquele filme e mesmo o personagem dele sendo inseguro e atrapalhado, acho que dá pra sentir que o casal tem uma sintonia.

O filme conta a estória de Spencer, um matador profissional que sonha em ter uma vida normal, construir família e conhecer pelo menos um de seus vizinhos e Jen, que após terminar com seu namorado porque ele era um canalha vai passar as férias com os pais em Nice, França.

Spencer e Jen conhecem-se ocasionalmente no hotel em que estão hospedados. De uma forma repentina os dois se apaixonam desesperadamente e então partem para o primeiro encontro. Após um jantar confuso e muita bebida Spencer leva Jen para o quarto dela. E de uma hora para outra decide contar sua verdadeira profissão. Só que adivinhem ela dormiu e não escutou nadinha.

Acho que o início do filme é forçado e serviu mais para mostrar a cidade do que o casal, em um filme que acontece tudo rápido demais você fica confusa se ele realmente é bom.

Após três anos de casados, Spencer descobre que sua cabeça estava a prêmio e eu acredito que aí sim começa o filme de verdade. Com muita ação, o filme segue monotonamente. Contraditório isso não? rs Acredito que um roteiro que tinha tudo para dar certo, perdeu-se na tentativa falida de transformar o filme em uma comédia romântica. Mas que falha terrível essa das grandes produções querer transformar qualquer filme em romance, existem produções que ficariam bem melhores somente com muita pancadiria e tiro, ou até um pouco de terror ou drama, me corrijam se eu estiver errada, mas um filme não precisa ser extremamente romântico para ser bom.

Um filme cujo um espião conta sua verdadeira identidade para uma mulher (ou qualquer outra pessoa) que acabou de conhecer, não me parece que o objetivo foi alcançado. Na verdade o que eu quero dizer é que Spencer não pareceu que havia treinado para ser um espião. Tudo bem, nós entendemos que ele podia estar desesperado para criar uma família, mas até os espiões mais mariquinhas sofrem um pouquinho antes de revelar tudo.

E você deve estar pensando. Que garota ridícula, revelando todo o filme! Acalmam-se, o verdadeiro ápice do filme só acontece pra lá de seus 50 minutos rodados 😀 rs Então fiquem tranquilos, esta resenha do filme não contém Spoilers. Ou quase não muitos! rs #Brincadeirinha.

Acho que o filme poderia ser um pouquinho mais longo e deveria ter explorado melhor a relação de Jen e Spencer. Acredito eu que ficaria bem melhor se tirassem aquele prelúdio terrível e mostrassem a forma como eles se conheceram em flashback’s, acho que seria bem mais digno. O filme não completamente ruim, é uma boa distração para um dia chuvoso como esse, acho que ele foi feito para pessoas que gostam de filmes que misturam ação e amor e não para críticos do cinema. Então, peguem a pipoca e o travesseiro, ou brigadeiro, chame a família e divirta-se, ou pelo menos distraia-se ;D

Obs: Eu li uma resenha deste filme, onde o “crítico” o definia como ridículo. Desculpe, mas não considero um crítico quem define um filme assim. Seja sincero, me dê os pontos críticos do filme, os pontos a se pensar, os melhores momentos, nem que seja somente a trilha sonora. Mas por favor, não defina nada como “Ridículo, Riidículoo!” porque se não, para mim quem acabará tornando-se ridículo será você. Sorry, mas se você se auto-denomina crítico, vá  assistir mais filmes e aperfeiçoar o seu modo de ver as coisas. Quando você escreve em um blog/site, você escreve para outras pessoas mais ou menos inteligentes do que você, mas de forma alguma subestime o seu leitor. Você está escrevendo para ele e não para você.

Beijos, Caah ❤

Resenha: Ler, Viver e Amar – Jennifer Kaufman e Karen Mack

8 Set

 Edição: 2
 Editora: Casa da Palavras / LeYa
 ISBN: 9788577341887
 Ano: 2011
 Páginas: 315
 Tradutor: Rogeria Pereira da Silva

  Skoob: Livro

  Sinopse: A Maioria das Mulheres faz compras. Algumas comem. Há aquela que fumam ou bebem. Outras ligam para o terapeuta. Dora cura sua tristeza lendo – às vezes por dias consecutivos. Separada pela segunda vez, sua vida se resume a ficar na banheira com vinho e livros – de Tolstoi a Mark Twain, de Flaubert a Jane Austen. Best-seller e livro cult na Costa Oeste americana mostra como a boa literatura pode ser reconfortante e um chave contra os momentos mais difíceis da vida. Tudo isso tendo como cenário a luxuosa Los Angeles, suas lojas, paisagens e ruas que moram no imaginário dos amantes de cinema e dos seriados de TV.

                                                                                                                                                               Prólogo.

Sempre imaginei o paraíso como um tipo de biblioteca.

Jorge Luis Borges (1899-1986)

O que dizer sobre algo que te deixa sem palavras? Sobre um livro que mesmo depois de horas, dias, de você ter virado a última página, ele continua vivo em sua mente e de repente, quando você menos espera, cenas dele invadem sua memória e te fazem lembrar dos melhores momentos. É exatamente isso que está acontecendo com este livro, não sei se porque ele teve esse grande impacto sobre mim, mas eu me lembro de cada paragrafo como se tivesse acabado de lê-lo.

Bom. Ler, Viver e Amar conta a estória de Dora. Uma heroína imperfeita que se esconde atrás dos livros. Com uma infância confusa e muitas viagens literárias, Dora torna-se uma admiradora irrevogável da leitura. Dora é uma mulher forte e extremamente inteligente, adora clássicos e uma boa taça de vinho, foi casada duas vezes, mas seu último casamento deixou um terrível rombo em sua vida social, não trabalha há um bom tempo e vive as custas da gorda herança que seu pai, deixara para ela.

Céus, como está sendo difícil resenhar este livro! rs Pois é como falar sobre mim. Me identifiquei completamente com Eudora, rs seu nome é em homenagem á Eudora Welty. Dora a descreve como: “Brilhante. Ler sua obra é como ler uma palhaçada vulgar. O ritmo é impecável.”O livro é repleto de citações famosas, de escritores famosos, de livros famosos e nos faz querer ser tão inteligente como Dora.

Chega uma parte do livro que você quase se convence de que não há terapia melhor do que a dos livros. Mas então tudo muda. Sabe, Dora está divida entre o inteligente galanteador e seu ex-marido doce e gentil. Ela quer seu emprego de volta, quer sua vida de volta. Mas encontra nos livros tudo aquilo que não conseguiu ter.

Sabe esse livro mexeu muito comigo, e agora me sinto como se tivesse 35 anos, eu queria ter a sabedoria e a bondade de Dora, que está sempre muito disposta a ajudar os outros, mesmo que isso não seja exatamente o que ela queria. Eu amei Palmer, que é o seu segundo Marido. Ele é um lindo! Simpático, galanteador, doce, apaixonante, mas por outro lado tem Fred. Que é inteligente imprevisível e sabe que tem um charme especial, e o usa muito bem “contra” as mulheres. Rs Os dois são incríveis, mas de uma forma diferente. Darlene, a melhor amiga de Dora é muito engraçada e tudo fica muito mais divertido e leve quando ela está por perto. Virgínia sua irmã torna-se seu Pilar mais precioso e vive e versa.

Ler, Viver e Amar, é um romance gostoso de ler e nos mostra que o melhor jamais será se esconder se auto-ausentar da população. Dora ama seus livros e isso a faz muito bem. Mas ela principalmente ama sua vida.

Jennifer e Karen ganharam minha admiração por sua inteligência e astúcia em escrever este livro que com certeza entrou para a lista dos meus favoritos.

Mini-Spoiler

Tem techo do livro, logo no comecinho que Dora cita os tipos de leitores, que ela e Palmer costumavam fazer piadas sobre a hierarquia silenciosa de leitores e o modo reservado com que lidam com um livro. Eu me encaixo nos Adoradores de livros:

“Elês mantêm seus livros cobertos (e não por que são romances), usam marcadores de páginas e absolutamente nunca deixam o livro tocar o chão. Eles olham para o livro como se fossem um ser com sentimentos, um objeto de desejo vivo, que respira, que precisa ser tratado com absoluto respeito. Eles leem cada palavra, até mesmo as notas de pé de página.”

E você? Que tal descobrir em qual você se encaixa? ;D Eu aposto que se você adora ler, irá amar este livro!

Nunca se deixe enganar por um homem que cita Cícero e Proust. Muitas vezes eles não são reais.

“A mistura de paixão pelos livros e comédia romântica é sedutora”

The New York Times. 

Beijos, Caah

10 coisas que eu odeio em você!

9 Fev

E por falar em Julia Stiles, a tal da Kat em 10 coisas que eu odeio em você!

Que tal falarmos sobre o filme que a fez ficar em terceiro lugar das minhas atrizes favoritas? =) depois comento sobre as duas primeiras.

Sinopse: 10 Coisas que Odeio em Você é um filme norte-americano do gênero, comédia romântica de 1999, escrito por Karen McCullah Lutz e Kirsten Smith e estrelado por Heath Ledger e Julia Stiles, baseado no livro de William Shakespeare, A megera domada.

Eu desde que me conheço por gente que sou apaixonada por Shakespeare… E engana-se quem acha que é por conta de Romeu e Julieta… E acertou quem disse que era por causa de A Megera Domada… É pois é, adivinharam porque esse é o meu filme favorito dentre todos… Eu sou louca por esta história, tanto é que minha novela favorita é O Cravo e a Rosa, que também foi baseada no livro de Shakespeare! aaaaaaah eu chego a suspirar quando falo de Shakespeare gente, ele era um gênio.

Enfim… Voltando a falar do filme… rs

O filme conta a história de Bianca, a irmã mais nova de Kat que está louca para arrumar um namorado! Mas… há um grande empecilho em sua busca! Sua nãoqueridaenãoamada Irmã… Kat que é rabugenta e vive de mau com a vida, não liga para a opnião dos outros e não quer um namorado tão cedo…

Quando Cameron (Joseph Gordon-Levitt) se apaixona por Bianca e descobre que a moça só poderá namorar depois que sua irmã Kat se “arranjar” o moço arma um plano para fisgar o coração da mocinha, mas quem fará isso será o misterioso Bad-Boy do colégio que ninguém quer se aproximar por medo, mas Cameron o “contrata” pois sabe que ele seria o único capaz de aturar a insuportável da Kat, mesmo que por dinheiro… Só que o que Patrick (o Bad-Boy) não esperava era se apaixonar pela MEGERA quase-INDOMADA! *-*

Oonw gente eu amo esse filme, ele é lindo… Fala de amor sem ser de uma forma melosa, e mostra o quão importante é o jogo da conquista e o quanto dói uma mentira…

Eu tenho duas cenas favoritas do filme *-*

A primeira é quando Patrick quer pedir desculpas a Kat mas ela o evita de todas as formas, então ele decide fazer uma surpresinha na hora do treino dela!

Ele resolve que o melhor jeito de chamar atenção dela, é chamando atenção de todo mundo! rs

Patrick resolveu sair cantando pelo estádio do colégio, uma música fofa (me desculpem por ter esquecido o nome da música! :s)  e fazendo um pedido de desculpas pública para Kat. ele não é lindo?! =)

E a segunda Cena é quando Kat lê seu soneto na frente da sala inteira. É realmente uma cena emocionante!

(“soneto escrito por Kat”)

10 Coisas que Eu Odeio em Você!

Odeio o modo como fala comigo

E como corta o cabelo

Odeio como dirige meu carro e o seu desmazelo

Odeio suas enormes botas de combate

E como consegue ler a minha mente

Eu odeio tanto isso em você

Que até fico doente

Odeio como está sempre certo

E quando você mente

Odeio quando me faz rir muito

E mais quando me faz chorar

Odeio quando não está por perto

E o fato de não me ligar

Mas eu odeio principalmente não conseguir te odiar.

Nem um pouco, nem mesmo só por um segundo.

Nem mesmo só por te odiar…

“Querido John”

21 Out

Querido John

Semana passada eu vi o filme “Querido John” eu curti o filme, mas confesso que esperei muito mais dele! Eu queria ler o livro para tirar a impressão ruim que fiquei do filme, mas enfim… Não é que eu não tenho gostado, só achei que ficou faltando alguma coisa, deixou um pouco a desejar! Mas eu adorei o John Tyree (Channing Tatum) ele era uma soldado perdido que quando encontraSavannah Curtis (Amanda Seyfried) acha o que vinha procurando á muito tempo. O que ele sente por ela é muito bonito, não diminuindo o amor dela, mas no filme pareceu meio artificial!

Enfim… Eu gostei do filme e recomendo, é uma boa pedida para um final de semana chuvoso e melancólico!

%d bloggers like this: